Arquivo do blog

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2022

Tiradentes MG. Parte V Final.

Joaquim José da Silva Xavier - o Tiradentes - nasceu em 1746 na Fazenda do Pombal, entre São José de Rei (hoje Tiradentes) e São João del Rei Minas Gerais, e foi executado em 21 de abril de 1792, na cidade do Rio de Janeiro.

Largo das Forras.







Aprendeu as primeiras letras com seu irmão Domingos. Órfão aos 11 anos fêz-se sucessivamente mascate, minerador e médico prático. A alcunha adveio da habilidade com que manejava o boticão. Sua popularidade se estendeu até o Rio de Janeiro.





Igreja da Santíssima Trindade.



Pertenceu ao Regimento de Dragões de Minas Gerais. No posto de alferes, como comandante da patrulha do Caminho Novo, de Vila Rica ao Rio de Janeiro, mostrou-se eficiente e destemido na ronda do mato, contra salteadores que infestavam a região.



Igreja de Santo Antônio da Canjica.





Em 1789, o governo português causou descontentamento geral no povo a chegada à Minas do Visconde de Barbacena com o propósito de proceder a cobrança dos quinto do ouro em atraso. O lançamento da derrama deu origem a conjuração que passou à história como Inconfidência Mineira







Nos três anos por que se arrastou o processo, Tiradentes assumiu toda a responsabilidade da rebelião. Condenado à forca, subiu ao patíbulo, depois de percorrer em procissão as principais ruas do centro do Rio de Janeiro. Morto, cortaram-lhe a cabeça e esquartejaram-no. Com seu sangue lavrou-se uma certidão que fora cumprida a sentença. Várias partes dos restos mortais de Tiradentes, foram espalhados pelo Caminho Novo da Estrada Real, sua cabeça apodreceu em um poste em Vila Rica (Ouro Preto) Minas Gerais.

Fonte: www.cidades.ibge.gov,br Tiradentes MG

domingo, 27 de fevereiro de 2022

Tiradentes MG. Parte IV.

Desde os últimos anos do século XVII, o paulista Tomé Portes del Rei explorava o direito de passagem às margens do Rio das Mortes, num ponto conhecido como Porto Real da Passagem. Em 1702 João de Siqueira Ponte chega à região e, em companhia de Tomé Portes, descobre ouro nos córregos da redondeza.

Igreja Matriz de Santo Antônio.







O local, denominado Ponta do Morro, logo se transforma em arraial com o fluxo crescente de garimpeiros. Pouco tempo depois, passa a se chamar Arraial da Ponta do Morro de Santo Antônio, em louvor ao santo de devoção dos moradores que aí se reuniram e ergueram uma capela.


Busto em homenagem a Tiradentes.




Igreja de São João Evangelista.



Mais tarde, passou a ser conhecido como Arraial Velho, pois criou-se o Arraial Novo do Rio das Mortes, atualmente chamado de São João del Rei. Nas primeiras décadas do século XVIII, foi construída a maior parte do seu casario e das edificações, como a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, em 1708, e a Matriz de Santo Antônio, em 1710.







Ao redor das igrejas e capelas, localizadas em pontos elevados da cidade, as casas foram firmando numa configuração que permanece até hoje. Graças à abundância de ouro encontrado, o arraial desenvolveu-se rapidamente, sendo elevado à categoria de vila em 1718, quando recebe a denominação de São José del-Rei, em homenagem ao príncipe D. José, Futuro rei de Portugal.







A decadência da mineração, que já se manifestava em toda a Capitania das Minas Gerais desde 1750, só viria a ter reflexos no crescimento da Vila de São José no início do século XIX, quando as minas de ouro se esgotaram. Apesar da escassez do metal, a Coroa Portuguesa lança a derrama, exigindo o pagamento compulsório de impostos atrasados do quinto do ouro, que em 1788 somavam mais de oito mil quilos.

Fonte: www.villaalferes.com.br

sábado, 26 de fevereiro de 2022

Tiradentes MG. Parte III.

 Mas foi o inflamado Silva Jardim que, de passagem por São José, sugere em seu discurso que o nome da cidade fosse trocada para o herói, em lugar de um rei português.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos.







Com a proclamação da república, por decreto de número 3 do governo provisório do estado, datado de 06 de dezembro de 1889, recebe a cidade o atual nome "Cidade e Município de Tiradentes".






Após longos anos de esquecimento, o conjunto arquitetônico da cidade foi tombado pelo então Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), em 20 de abril de 1938, tendo sido, por isso, conservado quase intacto.







Ainda existem na cidade de Tiradentes excelentes exemplares de arquitetura civil do século XVIII, como o Sobrado Ramalho, nos quatro cantos: o Sobrado do Aimorés Futebol Clube: na Rua Direita.






O Prédio da Prefeitura com suas sacadas de ferro batido e sótão: a casa nº 114 da Rua Padre Toledo, com forros pintados, representando os cincos sentidos; a casa do Largo do Ó nº 1 com forros pintados e três casas com antigas janelas de rótula, na Rua direita.

Fonte: www.tiradentes.mg.gov.br